Sorocaba - (15) 3225-3882

Notícias

Fundo que garante infraestrutura pode ter R$ 1,5 bilhão

Fundo que garante infraestrutura pode ter R$ 1,5 bilhão

O governo planeja injetar recursos no Fundo Garantidor de Infraestrutura (FGIE) para viabilizar até R$ 40 bilhões em investimentos no setor. A intenção é usar imóveis hoje em posse da União para direcionar até R$ 1,5 bilhão ao fundo e impulsionar futuras concessões, vistas com reserva por investidores que temem o risco elevado das obras. O valor deve ser aportado gradualmente até 2018 e se somará aos R$ 500 milhões que entrarão já no próximo mês.

A intenção dos gestores é que o fundo preencha duas lacunas que hoje atrapalham os aportes no setor: a ausência de garantias para os chamados "riscos não gerenciáveis", que incluem atrasos em licenciamentos ou sobrecustos gerados por eventos extraordinários como desastres naturais, e a falta de suporte para as debêntures (títulos de dívida emitidos por empresas) de infraestrutura, colocadas como opção para financiar os empreendimentos, mas com baixa procura. Com isso, o governo pretende elevar o apetite dos investidores.

Hoje, a percepção é de que o mercado resiste em assumir compromissos com obras em estágio inicial, quando os projetos ainda não são rentáveis e têm custos elevados. A falta de proteção contra imprevistos também é fator que afasta possíveis interessados, que teriam de arcar com todo o prejuízo.

"A gente percebe que existe uma falha, uma lacuna. São esses riscos que o FGIE vai absorver. Não temos nenhuma pretensão de assumir riscos que o mercado absorve, não vamos concorrer", disse o presidente da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF), Marcelo Pinheiro Franco. A ABGF é a gestora do FGIE.

Operação

Com os R$ 500 milhões que serão aportados em agosto, a agência já quer estruturar a primeira operação do fundo, criado no fim de 2014. Esse valor é suficiente para conceder R$ 2,5 bilhões em garantias e viabilizar até R$ 10 bilhões em investimentos. O "ensaio inicial" virá com concessões de rodovias. "Nosso objetivo agora é preparar um programa para essa segunda etapa do Programa de Investimentos em Logística (PIL), e a expectativa é que ocorra nos próximos meses e ao longo de 2017", afirmou Franco.

Até o fim de 2017, a projeção é que o capital do fundo chegue a R$ 1 bilhão. Para isso, o Ministério do Planejamento já está mapeando imóveis que poderão ser repassados à ABGF e então vendidos, com a reversão dos valores para o fundo garantidor. Pelo cronograma, a operação seguiria até o fim de 2018, quando o capital do FGIE pode chegar a R$ 2 bilhões.

Os recursos do fundo servirão para dar segurança tanto às concessionárias quanto aos financiadores. De um lado, a ideia é garantir a empresas que riscos considerados "severos" estarão cobertos por uma espécie de apólice. De outro, o fundo poderá viabilizar as debêntures de infraestrutura ao propor o ressarcimento do possível prejuízo, limitado a um porcentual do valor do investimento.

O fortalecimento do FGIE faz parte do pacote de estímulo ao crescimento que está sendo preparado pelo governo. O anúncio de quais obras devem entrar no pacote de concessões do governo, porém, deve ser feito apenas após a conclusão do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. O secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimento (PPI), Moreira Franco, já alertou que a insegurança institucional trazida pelo processo de impeachment é um obstáculo e coloca os projetos em compasso de espera. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Idiana Tomazelli, do Estadão Conteúdo

Fonte: A Tarde, E&N, 29/07/2106

Brasil terá demanda de 11,9 milhões de moradias até 2027

Brasil terá demanda de 11,9 milhões de moradias até 2027

Conclusão faz parte do estudo “Análise das Necessidades Habitacionais e suas Tendências para os Próximos Dez Anos&rdq

Leia mais
Nova etapa na reforma do prédio do Complexo Humberto Reale

Nova etapa na reforma do prédio do Complexo Humberto Reale

O São Bento deu início ontem às obras para a construção do segundo prédio do Complexo Humberto Reale. O novo

Leia mais
Norma técnica para cálculo de estruturas entra em consulta pública

Norma técnica para cálculo de estruturas entra em consulta pública

Revisão da NBR 6120, que trata sobre ações mínimas a serem consideradas no cálculo de estruturas de edificaç

Leia mais