Sorocaba - (15) 3225-3882

Notícias

Minha Casa puxa expansão do mercado imobiliário

O mercado imobiliário deu sinais de recuperação na primeira metade de 2017, com avanço nos lançamentos e nas vendas de imóveis pelas principais construtoras do País. O crescimento, porém, é marcado por um desequilíbrio. Enquanto os negócios seguem aquecidos no setor popular, com empreendimentos do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), o setor de médio e alto padrões ainda enfrenta barreiras e encolhe. 

Levantamento do Estadão/Broadcast com base nos relatórios operacionais de oito empresas listadas na Bolsa (Cyrela, Even, Eztec, Gafisa, Rodobens, MRV, Direcional e Tenda) mostra que os lançamentos totalizaram R$ 5,14 bilhões no primeiro semestre, 10% mais que no mesmo período do ano passado. As vendas líquidas atingiram R$ 5,19 bilhões, alta de 16%. 

Os dados não consideram empresas como Tecnisa, Rossi e PDG Realty, que divulgarão seus números nas próximas semanas, com o balanço financeiro. O avanço no semestre foi encabeçado por MRV, Tenda e Direcional, cujos projetos estão enquadrados no MCMV. Os lançamentos das três companhias alcançaram R$ 3,70 bilhões, alta de 22% na comparação anual, além de responderem por 72% dos lançamentos do grupo de companhias listadas. As vendas do trio atingiram R$ 3,33 bilhões, alta de 22% e equivalente a 64% dos negócios do grupo. 

Em parte, a bonança do setor se deve à atualização das regras do MCMV, que ampliou de R$ 6,5 mil para R$ 9 mil o limite da renda dos consumidores que podem adquirir uma moradia do programa. Outro fator positivo é a oferta de financiamento com taxas reduzidas, graças a recursos do FGTS: a taxa gira em torno de 7%a 8% ao ano - para a compra de moradias com preços mais altos as taxas ficam em torno de 10% ao ano. No médio e alto padrão, o cenário é distinto. 

Os lançamentos consolidados de Cyrela, Even, Eztec, Gafisa e Rodobens foram de R$ 1,44 bilhão no semestre, retração de 13% ante 2016. As vendas totalizaram R$ 1,85 bilhão, alta de 7%. "A perspectiva permanece desafiadora, numa combinação de baixa oferta de crédito barato, queda nos preços e volume elevado de estoques", afirma o analista Gustavo Cambaúva, que assina relatório do banco BTG Pactual. O presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz Antônio França, vê chances de uma recuperação continuada do setor, mas pondera que a volta de um crescimento mais firme ainda é incerta.

Por Circe Bonatelli

Fonte: O Estado de S.Paulo, E&N, 21/07/2017

 

RITMO DE CRESCIMENTO

As vendas de imóveis novos no país estão sendo impulsionadas apenas pelos lançamentos do programa Minha Casa Minha Vida. De acordo com levantamento Abrainc-Fipe, foram vendidos entre janeiro e maio deste ano, 39.970 unidades, superando em 1,3% o volume comercializado no mesmo período de 2016.

Os lançamentos residenciais de médio e alto padrão recuaram 25,4% nos últimos 12 meses. Já o número de lançamentos residenciais do programa MCMV aumentou 13,7% nos últimos 12 meses face ao período anterior. A tendência positiva foi acompanhada pelo aumento no volume de vendas (22,9%) e também na oferta média (28,6%) do segmento.

Este movimento é percebido por Ilton Salgado, sócio da Atitude Soluções Financeira, que é um correspondente autorizado da Caixa. São avaliadas 600 a 700 fichas para aprovação de crédito por mês.

- Mesmo com a crise econômica, o ritmo de vendas e de lançamento está muito bom. Poderia estar melhor, mas, com a instabilidade política, o possível comprador fica com medo de perder o emprego e se comprometer com algo que não possa pagar depois - diz ele.

Mariliza Fontes Pereira, diretora da Mdoito Construtora, compartilha da opinião. Ela acredita que, além da economia e turbulências em Brasília, a redução no crédito também travou um melhor desempenho nas vendas do programa.

- Muitos estão interessados em comprar, mas não conseguem o financiamento - lembra.

Atenção na compra. De acordo com Ilton, para quem quer investir, um dos cuidados deve ser conhecer a construtora responsável pelo empreendimento: procurar na internet, ver projetos anteriores e possíveis reclamações. Além disso, deve-se fazer simulações de financiamento antes de buscar imóvel para saber se será possível arcar com as prestações.

- No caso das empresas de vendas, veja se ela está vinculada à construtora antes de fechar o negócio. Marque com o corretor no próprio estande de vendas para evitar problemas - aconselha ele.

PERFIL DOS COMPRADORES DO MCMV

  • 60% têm ensino médio completo
  • 69% são casados em comunhão parcial de bens
  • 66% financiam de R$ 100 mil a R$ 150 mil
  • 43% compram imóvel entre R$ 100 mil e R$ 150 mil
  • 91% vão pagar de 360 a 420 meses Fonte: Atitude Soluções Financeira

Por Ana Carolina Diniz

Fonte: Extra, Economia, 23/07/2017

http://site.cte.com.br/noticias/2017-07-24minha-casa-puxa-expansao-do-mercado-imob/

Brasil terá demanda de 11,9 milhões de moradias até 2027

Brasil terá demanda de 11,9 milhões de moradias até 2027

Conclusão faz parte do estudo “Análise das Necessidades Habitacionais e suas Tendências para os Próximos Dez Anos&rdq

Leia mais
Nova etapa na reforma do prédio do Complexo Humberto Reale

Nova etapa na reforma do prédio do Complexo Humberto Reale

O São Bento deu início ontem às obras para a construção do segundo prédio do Complexo Humberto Reale. O novo

Leia mais
Norma técnica para cálculo de estruturas entra em consulta pública

Norma técnica para cálculo de estruturas entra em consulta pública

Revisão da NBR 6120, que trata sobre ações mínimas a serem consideradas no cálculo de estruturas de edificaç

Leia mais